Ao navegar no nosso site assumimos que aceita a utilização de cookies próprios e de terceiros para melhorar a sua experiência de navegação e serviço. Para mais informação, consulte a nossa Política de Cookies. Aceitar

A Mecalux vai distribuir um dividendo de 12 milhões de euros e novas acções entre os seus accionistas

26/06/2007

A Assembleia Geral de Accionistas da Mecalux aprovou a distribuição de um dividendo de 0,49 euros por acção, que corresponde a um valor total de 12 milhões de euros e um 25% do resultado líquido do grupo em 2006. Paralelamente aprovou um aumento de capital por incorporação de reservas, cada accionista vai receber gratuitamente uma acção por cada dez acções detidas, o que perfaz um total de 2.444.200 euros e 2.444.200 novas acções ordinárias. Na Assembleia Geral foi ainda aprovado os resultados de 2006, que denotam um aumento generalizado das vendas, registando um aumento de cerca de 82% da facturação, passando dos 292,5 milhões de euros em 2005 para os 531,1 milhões de euros em 2006. O exercício de 2006 foi o da consolidação do Grupo Esmena que gerou um volume de negócio consolidado de 154,2 milhões de euros. O resultado líquido em 2006 aumentou 56%, passando dos 30,9 milhões de euros para os 48,2 milhões de euros.

Mecalux, continuidade da política de expansão
O crescimento da Mecalux foi possível devido à aquisição estratégica de novas empresas, assim como pelo crescimento da sua divisão de armazéns automatizados e pelo crescimento em todos os mercados em que opera. 2006 foi o ano da integração da Esmena, o seu principal concorrente em Espanha, e TKINSA (a divisão de armazéns automatizados da ThyssenKrupp integrada financeiramente em 2005), as duas compras estratégicas para a Mecalux. O crescimento da Mecalux sem ter em conta os resultados do grupo Esmena foi de 29%. Por mercados, a Mecalux mantém uma crescente presença em todos os que está presente, aumentado as vendas em 22% no sul da Europa, 61% noutros mercados europeus, 41% na área NAFTA e um aumento de 35% na América do Sul. A automatização continua sendo a principal aposta de futuro da empresa.

Investimentos realizados em centros de produção durante o ano de 2006
O total do investimento realizado em de novos centros de produção ascendeu a 36,8 milhões de euros. Estes investimentos são necessários devido ao aumento das necessidades de produção da Mecalux e ao bom funcionamento da divisão de robótica.

  • Novo centro de produção de equipamentos para a robótica e a automatização de armazéns em Gliwice, Polónia. Em 2006 o Grupo alcançou nesta área de negócio a massa crítica necessária para justificar a construção de um centro de produção dedicado de cerca de 20.000 m2, que se somam aos 35.000 m2 actuais. Foram factores determinantes para a escolha desta localização a possibilidade de receber ajudas fiscais por parte do governo polaco, os melhores custos produtivos e a proximidade geográfica com os países em forte desenvolvimento da Europa Central e de Leste. Este centro de produção iniciou a sua actividade no primeiro semestre de 2007.

  • Ampliação da fábrica de Esmena em Gijón. O forte aumento das vendas do Grupo e as óptimas perspectivas de futuro, tornam necessário ampliar a actual fábrica com mais 15.000 m2, que se somam aos 32.000 m2 já existentes. Parte deste investimento, que se realizará durante os próximos três anos, conta com uma subvenção do Principado de Astúrias.

  • O centro de produção de Chicago da Mecaluxfoi ampliado em 10.000 m2, que se somam aos 25.000 m2 actuais, para satisfazer o forte aumento das vendas neste mercado.

    Anúncio da aquisição de uma opção de compra sobre a UFC Interlake Co.
    À margem dos resultados de 2006, a inícios do exercício de 2007, a Mecalux anunciou a aquisição de uma opção de compra sobre a companhia americana UFC Interlake Holding Co, um dos principais fornecedores de sistemas de armazenagem dos Estados Unidos. A opção de compra teve um custo de 7,5 milhões de dólares, podendo ser exercida na segunda metade de 2008. Com esta possível compra, a Mecalux fortaleceria a sua posição nos Estados Unidos, dentro do mercado dos armazéns automatizados e consolidaria a sua posição de liderança na América Latina.