Ao navegar no nosso site assumimos que aceita a utilização de cookies próprios e de terceiros para melhorar a sua experiência de navegação e serviço. Para mais informação, consulte a nossa Política de Cookies. Aceitar

Mecalux mantém em movimento o operador logístico Disalfarm

Transelevadores trilaterais; uma excelente opção para a automatização de um armazém. Substituir empilhadores por sistemas automatizados, sem modificar a estrutura das estantes.

Mecalux mantém em movimento o operador logístico Disalfarm

Transcrição

Um objetivo tão inspirador como difícil de alcançar: a qualidade total

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

“Nossa meta básica diária é sermos cada vez mais eficientes.”

Chegar sempre.

Chegar antes.

Chegar melhor.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Não temos objetivo de lucro sobre as vendas.

Em um setor muito exigente,

exigir mais.

E ainda mais.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Temos três sócios que têm padrões de qualidade altos.

Esta é a forma de fazer as coisas

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

São empresas que trabalham em P&D, trabalham na melhora contínua...

Porque

nas farmácias e hospitais

não se entregam pacotes

mas sim alívio

e vida

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Afinal o que eles pretendem é que também trabalhemos com esse espírito.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

A Disalfarm é um operador logístico da indústria farmacêutica, que foi fundado em 2000 para satisfazer as atividades de armazenagem e distribuição, em âmbito nacional, de três laboratórios: Bayer Hispania, Boehringer Ingelheim e Novartis Farmacêutica, que não são apenas os clientes, mas são simultaneamente os donos da empresa.

O desafio foi sempre tentar melhorar os processos, com ou sem tecnologia, simplesmente otimizando pequenos aspectos em partes do processo, para manter estes custos e, sobretudo, continuar melhorando a atividade e a qualidade do serviço.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

A Disalfarm confiou na Mecalux desde o início da sua atividade em 2000.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Foi a própria Mecalux que montou nossas estantes e por isso a evolução da Disalfarm sempre foi acompanhada pela Mecalux.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

O projeto da Disalfarm pode ser separado em três fases de forma muito clara:

a primeira fase: todo o movimento de paletes dentro do armazém, tanto de entrada como de saída, é feito de forma manual, com empilhadeiras frontais, ou dentro do armazém com empilhadeiras trilaterais.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Quando a atividade foi aumentando, percebemos que começávamos a ser ineficientes, porque não podíamos multiplicar o transporte discreto, não podíamos aumentar as empilhadeiras, porque saturávamos a instalação.

Josep M. Sarrià (Chefe da Fábrica Disalfarm)

“Os trajetos eram muito maiores, os paletes saíam de cada um dos corredores para os respectivos terminais e, com as máquinas, havia muito mais tráfego.”

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

E estávamos começando a perder não só eficiência, mas também a ter um ponto de insegurança dentro da instalação, devido ao próprio movimento que estávamos gerando.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

Fase dois: automatizamos o processo de entrada e saída de paletes dentro do armazém.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Tínhamos que conseguir colocar em funcionamento um terminal de paletes sem parar a atividade e sem cortar alguns dos fluxos que tínhamos dentro da área de armazenagem.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

Alterar o funcionamento básico do armazém, sem parar seu funcionamento diário.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Inicialmente, nas primeiras concepções que efetuamos do terminal de paletes, chegamos à conclusão de que o projeto não era viável.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

A resolução de problemas aparentemente impossíveis é muito estimulante, e é precisamente isso que os clientes esperam da Mecalux.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Começamos a trabalhar com vários fornecedores, mas para responder à pergunta "Por que a Mecalux?", porque já na fase de concepção se envolveu muito e nos ajudou muitíssimo a encontrar a solução final, para colocar o projeto em funcionamento.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

Partir do zero, é um bom começo.

Conceber, planejar e trabalhar é a base, mas fazê-lo lado a lado com o cliente, é imprescindível.

A Disalfarm e a Mecalux juntas deram literalmente uma volta no problema.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Foi quando mudamos o armazém e decidimos colocar o terminal de paletes na parte traseira.

O terminal de paletes automático permitiu que passássemos de uma unidade de movimento, da entrada de 30 ou 40 paletes por hora, para a entrada de quase 100 paletes por hora com os mesmos recursos.

Não fizemos um investimento em tecnologia pela própria capacidade da tecnologia, mas sim porque havia um retorno do investimento com base na melhora da eficiência e, sobretudo (e esse também foi um aspecto muito importante), foi a melhora na segurança dos processos e das pessoas que estão trabalhando no armazém.

Josep Mª. (Chefe da Fábrica Disalfarm)

O que o terminal nos proporciona é a eliminação de todo esse tipo de tráfego, além da centralização, tanto das entradas como das saídas.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Não tínhamos reparado, mas na verdade estávamos mudando o coração da empresa, porque esse terminal de paletes nos daria outras possibilidades que depois colocamos em prática.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

Fase três: aumentamos o grau de automatização deste armazém. Como? Reduzindo as operações manuais dentro do armazém, substituindo as empilhadeiras trilaterais que atualmente são manuseados por uma pessoa que opera e efetua os movimentos dos paletes, por um transelevador automático tipo trilateral.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Diria que sem o primeiro projeto não teríamos posto em funcionamento o segundo, mas quando o terminal automático de paletes começou a funcionar, não pensávamos na possibilidade de que a Mecalux algum dia iria conceber uma máquina específica para armazéns nos quais até agora havia empilhadeiras trilaterais, operadas por pessoas, e substituí-las por transelevadores trilaterais automáticos.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

Mas o trabalho constante em P&D e a exigência diária de nossos clientes geraram resultados tão revolucionários como o transelevador trilateral automático.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Até agora, os produtos que nos tinham oferecido, independentemente do custo, obrigavam a perder quase 20% de espaço de armazenagem para que fosse possível automatizar a entrada e saída de produto.

Não podíamos colocar transelevadores em uma estante convencional, porque o próprio transelevador e e seus trilhos nos obrigavam a perder 20% de espaço de armazenagem.

Isso para nós, como negócio, era evidentemente inviável, mas a Mecalux nos ofereceu uma máquina com a qual, sem perder qualquer espaço de área de armazenagem, podíamos instalar um transelevador trilateral automático.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Mas, além disso, evidentemente há sinergias que fazem com que este investimento tenha um retorno muito acelerado.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

Cada transelevador trilateral automático substitui um trilateral manual, diminuindo drasticamente o risco de erros e acidentes.

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

E também temos que pensar na indústria em que trabalhamos. Nossos sócios têm produtos que podem necessitar estar em duas, três, quatro horas em um hospital.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

O transelevador trilateral automático tem a possibilidade de efetuar uma saída tão rápida que, em caso de urgência, podemos retirar um produto em questão de minutos.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

Mas a Disalfarm pedia mais: a instalação sem que o armazém parasse de funcionar.

Josep Mª. (Chefe da Fábrica Disalfarm)

No início quando o projeto foi pensado, pensávamos que esvaziar o armazém para encher de transelevadores trilaterais automáticos seria uma loucura. Mas nos esforçamos muito e, no final, não foi tão difícil como parecia.

Alex Alonso (Responsável Gabinete Técnico Robótica Mecalux)

A Disalfarm nos levou ao desafio extremo de transformar seu armazém duas vezes, sem que nunca fosse necessário parar seu funcionamento.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

E o que ela ganhou com isso?

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Antes tínhamos uma capacidade máxima de entrada e saída de produto na área de armazenagem que era de cerca de 1.400 paletes por dia. Atualmente, essa capacidade está multiplicada por três, graças ao terminal de paletes, e graças aos transelevadores trilaterais automáticos.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

De 1.400 a mais de 5.000 paletes por dia e com um índice de qualidade imbatível.

A Disalfarm atingiu sua meta?

Jaume Segrià (Responsável de Operações Disalfarm)

Não, não mesmo. Percebemos que a conclusão de um projeto ou de um desafio nos leva a outro.

Frederic Barea (Diretor de Engenharia de Sistemas Automáticos Mecalux)

A Disalfarm está sempre em movimento e a base de seu enorme êxito é não parar.