Utilizamos cookies próprias e de terceiros para oferecer os nossos conteúdos em função dos seus interesses. Se continua a navegar nesta págima Web, entende-se que foi informado e aceita a instalação e uso de cookies. Para mais informação, consulte a nossa Política de Cookies. Aceitar

Desenho dos acessos do armazém

O desenho dos acessos ao armazém é outro aspeto que deve fazer parte de um projeto completo de qualquer instalação que se dedique à armazenagem e à gestão de mercadorias. O seu planeamento reduzirá as probabilidades de acidentes e fará com que diminua as possíveis interferências entre os camiões e o pessoal que circula a pé por tais zonas.

Um dos desenhos de acesso mais versáteis é o que forma um “Y”, porque apresenta vantagens consideráveis. Com esse tipo de via, os veículos que entram no armazém podem sair da estrada rapidamente, sem bloquear o tráfego. Ao mesmo tempo, os veículos de transporte que saírem do armazém podem aceder à estrada mais facilmente. A via de acesso à instalação deve ser preferencialmente de dupla faixa e o seu comprimento não deve ser inferior ao dobro do camião mais longo. 

Construção da superfície de rodagem

Atualmente é necessário contar com a possibilidade de trabalhar com camiões que tenham um peso total entre 20 e 70 t, portanto os acessos devem ser construídos para suportar tais cargas. Nas zonas onde podem ocorrer grandes geadas, recomenda-se utilizar uma sub-base perfeitamente compactada, recoberta com uma camada de brita aglutinada de 25 cm de espessura e finalizada com outra de betão reforçado de 25 cm de espessura. 

Essa base de rodagem garante uma duração mínima de 20 anos, exigindo apenas uma manutenção mínima. Em condições ambientais menos severas, basta utilizar uma base compacta, coberta por uma camada de brita aglutinada de 25 cm de espessura e finalizada com outra de asfalto de 15 cm de espessura.

Organização do tráfego

Após a realização do desenho dos acessos e da sua construção, é indispensável utilizar esse recurso da forma mais eficiente possível. Para o conseguir, é vital organizar o tráfego de entrada e saída das instalações. Também é preciso determinar um sentido de circulação anti-horário, pois isso proporcionará melhor visibilidade, mais segurança e a máxima eficácia.

Com essa organização do tráfego, os condutores podem manobrar e retroceder em direção aos cais tendo uma visão direta destes e do semirreboque ao mesmo tempo, visto que, ao retroceder com o veículo, o condutor deverá apenas manter a sua visão fixa no espelho retrovisor situado no lado mais próximo dele, ou seja, à esquerda da cabine.

Portas de acesso

O controlo do trânsito de veículos e de pessoas dentro das instalações pode ser feito por meio de portas. Para garantir a segurança das pessoas e dos bens, recomenda-se utilizar portas independentes tanto para peões como para veículos. 

Nos casos em que se utilizem vias de acesso de sentido único de 4 m de largura, a porta deverá ser de 5 m de largura. Quando a via de acesso for de duplo sentido e tiver uma largura de 8 m, a porta deverá ter 9 m.

Other topics in this category