Logística omnichannel: ajuste o armazém às exigências do e-commerce

28 Janeiro 2020

O surgimento irrefreável do e-commerce está a obrigar as empresas a adotar uma nova forma de trabalho de acordo com as novas necessidades do consumidor digital. Dessa semente nasce o conceito cada vez mais estendido de logística omnichannel. No entanto, o que é exatamente a omnicanalidade e que mudanças implica para a logística de armazenagem? Descubra os fatores-chave para adaptar o armazém ao mundo digital antes que seja tarde demais.

Características da logística omnichannel

A omnicanalidade procura a consecução de uma experiência de compra integrada para o cliente. Dessa forma, é um conceito transversal que abrange múltiplas áreas da empresa como o marketing e a publicidade, o controle e a localização de inventários, a adequação dos prazos de entrega, a gestão de devoluções, entre outros elementos.

Operar de acordo com a logística omnichannel significa adaptar-se aos novos padrões de consumo. O cliente digital acostumou-se ao imediato e quer ser atendido como, onde e quando ele decida, incluindo as formas de comunicação que se estabelecem com ele. Isso implica uma integração global e coordenada de todas as informações com as quais se lida em cada canal em tempo real.

Por trás da logística omnichannel temos a necessidade de cuidar da experiência de compra do usuário para aumentar o volume das vendas processadas de uma forma bem-sucedida. Tudo isso passa por enfrentar um maior nível de exigência no núcleo da cadeia de fornecimento: o armazém.

A mudança de paradigma ligada à logística omnichannel transformou e gerou novas necessidades nos atuais armazéns. As principais mudanças que estão a ocorrer têm relação com:

  • O manuseio de um grande volume de pedidos processados por dia, comparado ao fluxo de operações simplificado de uma rede logística mais tradicional (armazém – loja física, por exemplo).
  • A mudança radical na quantidade de produtos individuais que cada pedido exige: em vez de paletes, são geridos pedidos de poucas unidades. Na realidade, também é possível que ambas as formas de envio convivam, apesar das implicações que isso tem para as infraestruturas e as operações logísticas.
  • A aceleração de todo o processo a partir do recebimento do pedido: a entrega ao cliente é realizada numa margem de tempo muito ajustada a partir do momento da compra. Esse padrão estende-se a todos os tipos de cadeia de fornecimento, incluindo as tradicionais.
A logística omnichannel criou novas necessidades no armazém
A logística omnichannel criou novas necessidades no armazém

Fatores-chave para adaptar o armazém ao crescimento do e-commerce

Considerando esse cenário, quais são os pontos fundamentais para adaptar o funcionamento do armazém à logística omnichannel?

1. Contar com um WMS potente e adequado às necessidades

Como ponto de partida, é necessário ter um cérebro preparado para controlar com precisão a complexidade que acompanha a logística omnichannel. O Software de Gestão de Armazéns (WMS em suas siglas em inglês, Warehouse Management System) é o encarregado de “colocar em ordem”, ou seja, otimizar os processos do armazém reduzindo períodos de tempo de pouco movimento e eliminando os erros.

As funcionalidades de um WMS adaptado aos casos da logística omnichannel auxiliam nas seguintes áreas:

  • Controle e otimização do inventário: coordena o fluxo de materiais gerindo as reposições com eficácia.
  • Aproveitamento do espaço ao máximo: é capaz de localizar e otimizar o espaço disponível no momento de preparar as mercadorias.
  • Aumento da eficiência do pessoal: otimiza a atribuição de tarefas com o objetivo de reduzir o tempo necessário e os movimentos. Também se traduz numa melhoria da segurança no trabalho e da ergonomia em relação aos operadores.
Um operador controla o stock disponível graças a um WMS preparado como parte de uma estratégia de logística omnichannel
Um operador controla o stock disponível graças a um WMS preparado como parte de uma estratégia de logística omnichannel

2. Avaliar se é necessário fazer uma ampliação ou reformular o armazém

Nos últimos anos, é comum encontrar empresas tradicionais que aderiram à tendência do e-commerce. Diante desse cenário, costumam haver duas opções: construir um novo armazém dedicado à nova vertente do negócio online ou adaptar o existente.

Em muitos casos, é fundamental fazer essa análise com o apoio de consultores logísticos especializados. A sua experiência proporciona soluções utilizando a última tecnologia disponível no mercado e, além disso, essa bagagem fará com que deixemos de ter a “visão de túnel” na qual corremos o risco de cair.

Além disso, no âmbito dessa avaliação, a automatização de processos ganha importância uma vez que permite agilizar os fluxos no armazém. Automatizar não tem por que significar encher o centro de distribuição de robôs, às vezes, “pequenas mudanças”, tais como as soluções de picking semiautomático (junto ao uso de um WMS), podem significar grandes melhorias na rentabilidade.

Adaptar o funcionamento do armazém à chegada do e-commerce não é uma tarefa impossível se considerarmos as diferenças operacionais entre a logística omnichannel e a tradicional. Nesse sentido, a análise dos atuais processos no armazém é fundamental como ponto de partida.