Picking no nível alto

O picking feito nos níveis altos consiste na realização das tarefas de preparação de encomendas ao longo de toda a altura disponível das estantes, de forma a aproveitá-las completamente para tal tipo de operação. Em cada alvéolo da estante há uma única referência

Podem ser utilizados diferentes métodos de preparação de encomendas nos níveis altos: utilizar um único espaço para cada referência, usar vários espaços para a mesma referência no mesmo corredor, fazê-lo em vários corredores, destinar um único corredor para a preparação completa ou usar diferentes zonas com as referências agrupadas por lotes em vários corredores. Seguidamente, especificamos cada uma dessas possibilidades.

Como se executa a preparação de encomendas nos níveis altos 

Ilustração de picking nível alto

Preparação de encomendas nos níveis altos

  • No primeiro método enunciado, cada referência tem um único espaço em todo o armazém. Isso facilita estabelecer uma rotina que beneficia a preparação, a tal ponto que, caso se unifique totalmente o armazém – de forma que a relação referência-espaço permaneça indefinidamente constante –, a tarefa de preparação das encomendas poderia ser realizada de forma completamente automática.
  • Embora o mencionado anteriormente não possa ser completamente conseguido, a memorização por parte do preparador da localização referência-espaço favorece a diminuição do tempo de preparação. Os operários dirigem-se de uma forma quase mecânica à localização de uma referência no seu espaço, bastando ler a referência sem necessidade de consultar o posicionamento do espaço onde está localizada.
  • O segundo sistema é o de vários espaços no mesmo corredor para uma mesma referência. Trata-se de um método que também ajuda a reduzir o tempo de preparação, sobretudo quando o corredor tem um alto número de espaços por causa da sua altura ou do seu comprimento. Situar a mesma referência em diferentes posições no mesmo corredor facilita as deslocações dentro do mesmo. 
  • No entanto, a aplicação desse método apenas é possível caso se disponha de um sistema de comunicação em tempo real entre o operário e o software de gestão. A última decisão sobre extrair de um espaço ou de outro uma ordem de recolha de determinada referência compete ao preparador. Portanto, a ordem deve ser comunicada ao sistema de forma imediata, para que este possa programar a reposição dessa referência na posição a partir da qual foi extraída e não em outra.
  • O terceiro método mencionado, com vários espaços em diversos corredores para a mesma referência, facilita a execução das operações. No entanto, só é indicado quando vários preparadores trabalham em simultâneo. Graças a esse sistema, os operários evitam as extensas e complicadas deslocações ao longo do comprimento e altura dos diferentes corredores. Nesse caso, é muito recomendável (inclusivamente mais do que no método anterior) um sistema de comunicação em tempo real entre os preparadores e o computador central.
  • Relativamente ao quarto sistema de trabalho, onde se utiliza um único corredor para configurar toda a linha, é útil quando a relação entre o número de encomendas e o de referências for muito alto exigindo uma grande rapidez na operação. Portanto, nesse sentido, as quantidades armazenadas de cada referência podem ser distribuídas em vários corredores para que estejam todas disponíveis em cada um deles e, consequentemente, seja possível preparar a encomenda completa. Dessa forma, evita-se que os operários tenham que se deslocar de um corredor para outro e, assim, podem realizar a preparação nos níveis altos em muito pouco tempo.
  • O quinto sistema de operação é uma variação do método anterior que consiste em agrupar as referências em diferentes zonas, para que seja possível consolidar uma encomenda em cada uma delas, independentemente das outras. Portanto, os preparadores trabalham numa zona determinada, embora isso obrigue-lhes a ter que mudar de corredor com alguma frequência. Tal sistema é um pouco mais lento do que o anterior, mas como não é necessário mudar os operários continuamente, a sua efetividade equipara-se bastante. Além disso, é mais económico, porque exige menos operários.

Meios para a preparação de encomendas nos níveis altos 

A preparação de encomendas nos níveis altos pode ser realizada com três tipos de equipamentos diferentes. 

  1. Os denominados selecionadores de encomendas para níveis altos são equipamentos especialmente desenhados para essa tarefa. Foram construídos de uma forma muito parecida aos selecionadores de encomenda para nível médio, dos quais provêm. A altura útil desses equipamentos situa-se entre 10 e 11 m no máximo.
  2. Também é possível utilizar empilhadores trilaterais combi, em que o condutor se eleva com a carga, de forma que pode aceder diretamente às unidades soltas ou às peças armazenadas nos níveis altos. 
  3. A terceira opção ocorre mediante o uso de transelevadores de altura média (entre 10 e 12 m), que incorporam um elemento através do qual podem levar um homem a bordo que se encarregará de extrair as unidades das estantes. Esse tipo de equipamentos está praticamente em desuso, dado que se costuma utilizar, no seu lugar, transelevadores de picking automático que seguem uma estratégia do produto ao homem, ou robôs de picking.

Empilhador trilateral combi, onde o condutor se eleva juntamente com a carga.

 

Armazém instalado para fabricante de componentes eletrónicos

Armazém instalado para fabricante de componentes eletrónicos

Other topics in this category