Códigos QR na logística: velocidade e flexibilidade

16 Agosto 2021

Os códigos QR ou QR Codes têm sido parte da logística desde a sua criação em 1994. Como os códigos de barras, eles são usados principalmente em armazéns para cumprir duas funções: ajudar os operadores a fazer o inventário mais rapidamente e fornecer rastreabilidade total, ou seja, rastrear os produtos através dos vários processos pelos quais passam na cadeia de abastecimento.

De acordo com a consultoria Future Marketing Insights, o mercado global de QR code foi avaliado em 996,8 milhões de dólares em 2018 e está previsto um aumento anual de 8,7% entre 2019 e 2027. E no setor de logística? Que impacto os QR code tiveram na cadeia de abastecimento? Neste post iremos ver como são utilizados e quais as características e vantagens que possuem.

O que é o código QR?

Antes de entrar no assunto, começamos por definir o que é um código QR. É a sigla em inglês para Quick Response, refere-se a um sistema de codificação criado para ser lido muito rapidamente. Os QR code armazenam diferentes tipos de informação: códigos numéricos, texto, links para páginas web ou mesmo pequenos arquivos binários (com um limite de 3 KB).

Os engenheiros da Denso Wave, subsidiária japonesa do Grupo Toyota, desenvolveram códigos QR para superar as limitações encontradas nos códigos de barras. Mas quais eram essas limitações? Na planta de produção desta empresa, os operadores tiveram que ler um grande número de códigos de barras e identificar muitas referências, o que exigiu tempo e esforço. Além disso, com produtos de tamanhos e características diferentes, eles precisavam de códigos menores que fossem adaptados às diferentes dimensões dos artigos.

O objetivo da Denso Wave era tornar a gestão do stock mais flexível do que era com os códigos de barras. A velocidade de leitura foi alcançada graças ao design dos códigos QR e, em termos de tamanho, os QR code menores podem medir no mínimo 1,5 cm de cada lado.

Como funciona um código QR

Composto por códigos quadrangulares que consistem em pequenos quadrados pretos e brancos (chamados “módulos”). Vamos ver qual é a sua estrutura.

Estrutura de um código QR
Estrutura de um código QR:
1) Informações da versão. Identifica a versão do código QR.
2) Informações de formato. Armazena informações sobre o nível de correção de erros. É a primeira coisa que o sistema lê ao decodificar o código e é a maneira pela qual o sistema sabe o tamanho dos símbolos no corpo (o número de bytes disponíveis).
3) Dados do QR code. Os módulos preto e branco, dispostos alternadamente, servem para armazenar as informações.
4) Padrão de localização ou deteção de posição. São os quadrados nos três cantos que facilitam a leitura em alta velocidade. Permitem identificar a orientação rotacional do símbolo.
5) Padrão de alinhamento. Esses quadrados menores que os anteriores servem para detetar as coordenadas do código QR e podem ser lidos em superfícies curvas.
6) Temporizador ou padrão de tempo. Ajuda a ressincronizar as coordenadas em caso de distorção menor.
7) Zona muda ou silenciosa. Ajuda a isolar um código QR do seu ambiente

Tipos de códigos QR

Diferentes tipos de códigos QR podem ser encontrados no mercado. O mais comum é o Model 2, uma versão aprimorada do modelo inicial desenvolvido pela Denso Wave. Além disso, outros códigos como micro QR, SQRC ou FrameQR estão a começar a proliferar no mercado. Estas são algumas das suas características e utilidades:

Os tipos mais comuns de códigos QR no mercado
Os tipos mais comuns de códigos QR code no mercado
  • Model 1 e 2. O modelo 1 é a versão inicial do código QR desenvolvido pela Denso Wave. O modelo 2 é a versão melhorada e capaz de armazenar mais informações.
  • Micro QR. É a versão reduzida do QR code. Dependendo do conteúdo e do nível de correção de erros, pode ter até quatro tamanhos diferentes
  • SQRC. É um QR code com restrição de leitura de dados, por isso é utilizado para gerir informações privadas e internas de uma empresa.
  • FrameQR. Neste código é possível adicionar ilustrações ou fotografias sem danificar o conteúdo do código. Portanto, algumas empresas utilizam-na para adicionar o seu logotipo e melhorar a imagem corporativa.

As empresas usam o tipo de código mais conveniente com base nas suas necessidades e particularidades. Por exemplo, o Model 2, por ter maior capacidade de informação, é o mais adequado para controlar os produtos no armazém.

Códigos QR na logística

Embora os códigos QR tenham sido projetados para uso em ambiente produtivo, rapidamente foram adaptados ao setor de logística. Por gerirem mais informações e serem lidos com mais rapidez, são ideais para monitorar produtos em vários processos da cadeia de abastecimento.

No entanto, uma empresa deve perguntar: por que devo implementar QR code se já uso códigos de barras? Vamos destacar quais as diferenças e vantagens os dois códigos têm:

  • Informações. As empresas administram uma infinidade de dados sobre produtos (data de fabricação e data de validade, proprietário, nível de demanda, particularidades a serem levadas em conta ao armazená-los, etc.). Os QR code contêm um grande número de caracteres - até 7.089 caracteres numéricos, 4.296 caracteres alfanuméricos ou 2.953 bytes - ou, em outras palavras, até dez vezes mais informações do que os códigos de barras.
  • Dimensões. As empresas trabalham com todos os tipos de produtos (desde os grandes, como uma geladeira, até os pequenos, como um microchip) e todos eles precisam ser rotulados corretamente em todos os momentos. Os códigos QR são igualmente eficazes, independentemente do tamanho.
Comparação das dimensões e informações de códigos de barras e códigos QR

Comparação das dimensões e informações de códigos de barras e códigos QR

A) Tamanho do código (cm)
B) Caracteres numéricos 

  • Resistência. Se os códigos de barras ficarem danificados ou sujos, eles não podem ser lidos. Este não é o caso dos códigos QR. Graças ao temporizador ou ao padrão de tempo, os dados podem ser recuperados sem qualquer problema.
  • Facilidade. Os códigos QR são lidos com os dispositivos mais comuns num armazém. A sua leitura é ágil independente da orientação do terminal, ao contrário dos códigos de barras, que só podem ser identificados horizontalmente.

A maior desvantagem dos QR code é que os códigos de barras estão muito mais difundidos no mercado hoje. As empresas estão acostumadas a trabalhar com códigos de barras para identificar produtos e implementar códigos QR nos seus negócios significa um esforço extra.

Além disso, certos produtos são difíceis de rotular usando QR code devido a uma questão de forma. Um exemplo são os cabos, onde um código de barras convencional é o mais adequado.

Soluções para trabalhar com códigos QR no armazém

Os códigos, sejam barras ou QR, são muito práticos para identificar produtos. Embora tenham nascido na manufatura, os QRs foram introduzidos na logística com o objetivo de otimizar operações e identificar mercadorias com mais rapidez.

Para trabalhar com QR code num armazém, são necessários apenas leitores a laser especificamente adaptados para esta função. É preciso verificar se o dispositivo é capaz de ler códigos 2D (além do habitual 1D) e, em particular, o formato do código QR de interesse.

Num armazém, todos os produtos e processos devem ser controlados por um sistema de gestão de armazém (SGA), como o Easy WMS da Mecalux. Ao scanear um QR Code ou um código de barras, o SGA aceda os dados mais relevantes sobre o produto (principalmente, referência e rotação) e é capaz de atribuir uma localização no armazém.

Os códigos QR podem ser lidos com qualquer sistema de identificação no armazém
Os códigos QR podem ser lidos com qualquer sistema de identificação no armazém

Logística codificada

As empresas que estão acostumadas a utilizar códigos de barras nos seus armazéns podem considerar a implementação de códigos QR para alcançar maior agilidade nos trabalhos de armazenagem e gestão de stock.

Num armazém que utiliza QR code, é preciso um sistema de gestão adequado. Na Mecalux temos o Easy WMS, um software capaz de operar com os códigos mais comuns em armazéns, incluindo os QR code. Ao lê-los com o auxílio de qualquer terminal de radiofrequência, o SGA atribui uma localização a cada produto considerando as particularidades da empresa. Entre em contato com a Mecalux para que possamos explicar como o Easy WMS pode ser adaptado ao seu armazém.