Software de logística: diferenças entre WSC, WES e WMS

21 Janeiro 2020

Como vimos no nosso artigo sobre "Como melhorar a gestão do armazém", automatizar ou não o armazém, é uma pergunta que cedo ou tarde deverá ser feita. Embora automatizar total ou parcialmente o armazém seja bom, fazê-lo com as ferramentas informáticas adequadas é ainda melhor. Qual software de logística deveria utilizar para melhorar seu desempenho? Se não souber em que programa investir, convém verificar em primeiro lugar as funcionalidades de cada um deles para ajudá-lo a decidir.

Software de logística: definição de WMS

Um WMS ou Warehouse Management System é um software ou Sistema de Gestão de Armazéns (WMS) logístico utilizado pelas empresas para gerir todas as tarefas que devem ser realizadas diariamente. Essa ferramenta pode ser instalada num armazém manual, semiautomático ou totalmente automático para gerir operações, tais como a gestão de stock e o processo de preparação de pedidos.

Aqui estão algumas das coisas que podem ser feitas com o WMS:

  • Receber mercadorias.
  • Organizar o trabalho da equipa de logística.
  • Manter uma boa rastreabilidade dos stocks.
  • Armazenar os produtos de forma coerente.
  • Ter uma boa visão das tarefas realizadas pelos operadores de logística.
  • Reduzir o uso e o desperdício de papel.
  • Administrar o processo de preparação de pedidos.
  • Controlar o envio das mercadorias.
  • Melhorar o serviço ao cliente.
  • Analisar os resultados e criar relatórios.

Exemplo de Sistema de Gestão de Armazéns: Easy WMS.

O que é um WCS?

Um WCS ou Warehouse Control System em inglês, é um software de controle que permite que os armazéns ou centros de distribuição controlem todas as operações enviadas pelo WMS relacionadas aos fluxos de atividade e fazem funcionar dispositivos como transportadores, transelevadores, etc.

O WCS atribui aos dispositivos as tarefas que devem ser realizadas e zela pela fluidez e eficácia de cada uma delas.

Com frequência, os armazéns parcial ou totalmente automáticos contam com um software WCS integrado ao WMS. Essa ferramenta de controle compila dados para transmiti-los ao software de gestão de armazéns que irá analisá-los com o objetivo de ter uma visão mais precisa do funcionamento da organização.

O WCS permite fazer o seguinte:

  • Dirigir e manter o controle dos equipamentos de manuseio.
  • Compilar dados em tempo real.
  • Sincronizar o trabalho.
  • Programar as operações enviadas pelo WMS.
  • Ter uma visão exata das operações com o envio de notificações por e-mail, SMS, ou outros sistemas, para avisá-lo em tempo real de possíveis problemas relacionados à execução de tarefas.

Exemplo de SCA: o módulo de controle Galileo da Mecalux.

O que é o WES?

Um WES ou Warehouse Execution System em inglês, é como seu próprio nome indica, um software que originalmente permitia a execução das tarefas realizadas no armazém. No entanto, nos últimos anos, esse tipo de software de logística evoluiu e já não é um simples programa de execução. Tanto é que já é possível gerir algumas das funcionalidades oferecidas pelos WMS e WCS.

Entre tais características, o WES permite o seguinte:

  • Programar tarefas.
  • Processar pedidos.
  • Proceder ao envio das mercadorias.
  • Gerir fluxos de materiais.
  • Executar e controlar fornecimentos.
  • Ter mais visibilidade mediante notificações em tempo real dos processos de tratamento de pedidos, de stock e de soluções de armazenagem automática.
  • Criar relatórios e analisá-los para avaliar melhor a concorrência.

Como já deve ter constatado, a diferença entre um WMS e um WSC é bastante clara. No entanto, essas diferenças não são assim tão claras em relação ao WES.

Por isso, o WES converteu em muito mais do que um software para executar operações no armazém e pode cobrir algumas das funcionalidades do WMS e WSC. Convém recordar que um WES não substitui um WMS ou WSC.

Podemos concluir afirmando que cada empresa tem as suas próprias necessidades, por isso, é imprescindível avaliá-las para saber qual seria o software de logística mais adequado para implementar na sua cadeia de fornecimentos.