Talento 4.0 em logística: quais são as habilidades essenciais?

17 Março 2020

A transformação digital invadiu todos os recantos da vida e, evidentemente, também o mundo da logística. A digitalização impulsiona as empresas a incorporarem novos profissionais formados e preparados para lidarem com os desafios que surgem nesse campo, esse profissional é conhecido como talento 4.0.

O conceito surge paralelamente à denominada indústria 4.0 ou quarta revolução industrial. A introdução de novas tecnologias nos processos de produção e a informatização das tarefas exigem, para começar, um esforço de adaptação por parte do pessoal.

Novos desafios da logística: por que contar com talento 4.0?

As novas tecnologias abriram um mundo de possibilidades para a organização dos processos de produção, armazenagem e distribuição, mas também geraram uma boa quantidade de desafios para os profissionais que se encarregam da gestão. Alguns deles são:

  • A análise dos dados recolhidos pelos diferentes sistemas para a sua interpretação e sua conversão em informações úteis na tomada de decisão. Tal tarefa exige cruzar registros provenientes de diferentes fontes, tais como: os dados do ERP, o Sistema de Gestão de Armazém (WMS) ou o software de gestão de frotas de transporte, entre outros.
  • A implantação do WMS exige que toda a empresa se envolva e que o projeto seja desenvolvido em sintonia com a empresa fornecedora.
  • A robotização e automatização para melhorar os processos intralogísticos e aumentar a produtividade do armazém.
  • O cumprimento dos objetivos na última milha, especialmente complexo na era do e-commerce devido às dificuldades existentes para chegar aos destinatários, adaptando-se aos seus horários e às restrições de trânsito das cidades.

Todas essas atividades exigem contar com formação especializada e habilidades pessoais, como capacidade de adaptação, pensamento analítico ou trabalho em equipe, características que distinguem o talento 4.0 em logística.

Perfil do talento 4.0 de maior qualificação em logística

O estudo Digitalisation for productivity and growth, do Parlamento Europeu, revela que, em 2020, haverá 875 000 postos de trabalho no setor de TIC de difícil cobertura dentro da União Europeia. Exemplos desse tipo de emprego são o de chefe de trânsito, engenheiro de métodos logísticos ou diretor de operações, entre outros.

Em virtude dos desafios que o setor logístico enfrenta, diante de tal cenário será crucial identificar, atrair e reter o talento 4.0. Mas, como saber quando temos à nossa frente o profissional da logística perfeito para esse paradigma novo e em constante mudança? Verifique se cumpre os seguintes requisitos:

  • Formação universitária, preferivelmente em algum ramo da engenharia.
  • Domínio de idiomas.
  • Alto conhecimento de processos e softwares de automatização.
  • Liderança, proatividade e orientação para resolver problemas.
  • Mente analítica.
  • Capacidade de organização, planeamento e gestão de equipes.
  • Habilidades interpessoais.

Talento 4.0, também nos cargos que exigem uma menor qualificação

Não só nos cargos de direção ou nas chefias intermediárias é necessário o talento 4.0. Para ser competitivo também é necessário fornecer aos operadores que tenham menos qualificação conhecimentos e ferramentas que lhes permitam fazer a transição de fluxos de trabalho absolutamente manuais para uma nova cadeia de fornecimento onde prevaleça a digitalização.

Formar os operadores para passar de um sistema de trabalho manual para outro informatizado é básico para gerar talento 4.0
Formar os operadores para passar de um sistema de trabalho manual para outro informatizado é básico para gerar talento 4.0

Esses funcionários devem familiarizar-se com a informática como usuários e envolver-se nos projetos de imersão em logística 4.0 liderados pelos diretores.

Quando esse tipo de iniciativa começa a ocorrer, tais como o processo de implantação de um WMS, é habitual encontrar certa resistência em relação às mudanças. Para vencê-la e converter o pessoal em talento 4.0 é recomendável:

  • Fazer com que os trabalhadores participem da elaboração do projeto de reestruturação, concedendo a cada um deles uma função de acordo com suas capacidades.
  • Envolvê-los em sessões voluntárias de atualização que os transformem em profissionais mais completos e polivalentes.
  • Proporcionar formação prática e personalizada no armazém.

Portanto, a chave está em aumentar a qualificação do pessoal atual e, paralelamente, contratar novos profissionais que proporcionem profundidade tecnológica e habilidades próprias dos nativos da indústria 4.0.

Com essa força de trabalho e com as soluções de automatização para o armazém da Mecalux, a sua empresa entrará no mercado equipada com as melhores armas para conseguir a eficiência em logística.