Logística verde ou logística ambiental: definição, desafios e soluções

04 Março 2020

A logística verde ou logística ambiental refere-se ao conjunto de políticas sustentáveis e medidas destinadas a reduzir o impacto ambiental causado pelas atividades do setor logístico.

Essa concepção da logística afeta a configuração dos processos, estruturas, sistemas ou equipamentos de transporte, distribuição e armazenagem das mercadorias.

A abordagem tradicional da logística costuma deixar à margem da tomada de decisão o grau de sustentabilidade ambiental. No entanto, o objetivo da logística verde é encontrar o equilíbrio económico e ecológico.

Como consegui-lo? Por que incorporar políticas de logística ambiental na sua empresa? Quais são os desafios que esse paradigma específico da logística enfrenta? A seguir, analisamos em detalhes os principais aspectos relacionados à logística sustentável.

Os objetivos da logística ambiental

A logística verde visa:

  • Medir a pegada de carbono das operações logísticas para assim ter um ponto de partida para considerar medidas em prol da sustentabilidade e controlar os resultados das mesmas. Uma das metodologias mais utilizadas para o cálculo do consumo de energia e dos níveis de emissões de gases de efeito estufa é a norma internacional UNE-EN 16258:2013.
  • Reduzir a poluição do ar, solo, água e sonora, analisando o seu impacto em cada uma das áreas logísticas, especialmente a vinculada ao transporte.
  • Fazer um uso racional dos recursos reutilizando contentores e reciclando embalagens.
  • Tornar a sustentabilidade extensiva à cadeia de fornecimento. A logística ambiental também traz consigo a concepção de produtos e o seu packaging. Ambos devem ser projetados para minimizar o seu impacto ambiental.

Quais são os desafios enfrentados pela logística verde?

Atualmente, a logística é um setor que não se caracteriza por um alto grau de sustentabilidade. No âmbito logístico as empresas enfrentam obstáculos notáveis no momento de implementar políticas de respeito ao meio ambiente. Isso ocorre devido a várias causas:

1. A dependência dos combustíveis fósseis, especialmente no transporte

Ainda não foram encontradas soluções eficazes e viáveis economicamente que permitam reduzir o nível de dependência dos combustíveis fósseis no transporte de mercadorias.

2. O impacto das entregas de última milha no tráfego urbano

As entregas, sobretudo de e-commerce, aumentaram significativamente o tráfego de veículos de distribuição nas grandes cidades e muitos operam sem levar carga completa diante da variedade dos pedidos.

3. A falta de infraestruturas

As entidades locais estão a fazer regulamentos para estabelecer limites às emissões, no entanto, falta um acordo transversal para desenvolver medidas de construção que satisfaçam as necessidades dos envolvidos nas atividades logísticas.

4. Necessidade de investimentos por parte das empresas

Tanto se as operações logísticas forem realizadas de forma interna quanto se foram subcontratadas, as tarifas e as margens tão apertadas que se manipulam no setor nem sempre permitem pensar em investir em infraestruturas, automatização de processos ou em equipamentos de movimentação mais eficientes.

5. A invisibilidade da logística frente aos consumidores

A logística não é sustentável porque, em geral, o cliente também não é. Existe um problema adicional: para o cliente, a logística é invisível e o é cada vez mais. É complicado aplicar políticas de logística ambiental quando o cliente exige, por exemplo, entregas em 24 horas que impedem consolidar cargas e aproveitar os fluxos de transporte.

Além disso, muitas vezes o custo logístico não se desmembra na fatura ou simplesmente é mínimo. Isso diminui a sua relevância e, portanto, reduz as razões para investir em sustentabilidade ambiental.

A automatização de processos é favorável para a logística verde
A automatização de processos é favorável para a logística verde

Como aplicar abordagens de logística verde: estratégias

1. Incluir o critério ambiental nas políticas de abastecimento

No âmbito da política de compras e abastecimento da empresa podem ser incluídos critérios de sustentabilidade no momento de avaliar as propostas dos fornecedores. Estes podem referir-se a:

  • As características dos produtos: por exemplo, comprar embalagens ecológicas e limitar o uso do plástico no packaging.
  • Os processos de fabricação: existem normas internacionais que certificam uma gestão ambiental favorável. A Mecalux conta com a certificação da norma ISO 14001 que garante a implantação de um sistema de gestão ambiental no funcionamento global da empresa.
  • A localização do fornecedor, elegendo os mais próximos.

Dessa forma, poderia-se avaliar a possibilidade de adquirir fornecimentos respeitosos com o meio ambiente. Por exemplo, cada vez há mais opções de veículos industriais eficientes que restringem as emissões de gases de efeito estufa, sobretudo no ramo de veículos leves. Além disso, convém consultar a existência de ajudas ou subvenções para a sua aquisição.

2. Otimizar a gestão das frotas de transporte

O transporte é uma das áreas da cadeia logística que mais gera pegada de carbono. Para limitá-la, além de adquirir veículos menos poluentes, é necessário utilizar sistemas que auxiliem no planeamento das rotas de entrega prevalecendo a consolidação de cargas.

Além de conseguir uma maior eficiência na gestão de frotas, também reduzem as emissões globais causadas pelo transporte.

A gestão de transporte é fundamental para aplicar a logística ambiental
A gestão de transporte é fundamental para aplicar a logística ambiental

3. Contar com um armazém que siga os padrões de construção e gestão sustentável

A efervescência do setor logístico está a impulsionar a procura por novos armazéns e fazendo com que as empresas reformulem as suas instalações para adaptá-las às exigências do mercado. Nesse sentido, existem diferentes formas onde a logística ambiental se reflete no layout de armazéns:

  • Ganham protagonismo os denominados imóveis logísticos 4.0: o seu layout e construção incorporam medidas de proteção ambiental que garantem uma gestão sustentável do edifício. O certificado Breeam ou a qualificação Leed são dois dos selos que garantem a sustentabilidade dos armazéns logísticos. Para a concessão dessas certificações são analisados aspectos como a eficiência no consumo de água e energia, o uso de fontes energéticas alternativas, a seleção de materiais de construção e o manuseio de resíduos durante todo o processo.
  • Controle e promoção da economia energética dentro do armazém: pode ser realizado de diferentes formas. Por exemplo, a completa automatização de certos processos no armazém permite limitar a necessidade de luz artificial (emulando a metodologia conhecida como lights-out manufacturing). Outra forma de seguir a abordagem da logística sustentável é a utilização de embalagens adaptadas ao máximo aos produtos para limitar o desperdício de recursos, ou usar fórmulas de packaging adaptável com uma maior versatilidade.

4. Disponibilizar medidas de redução e reciclagem dos resíduos produzidos no armazém

Uma das medidas para aplicar a logística ambiental no armazém é gerir os resíduos produzidos com critérios sustentáveis. Por exemplo:

  • Estabelecer um processo de classificação dos resíduos de acordo com os materiais a reciclar.
  • Reduzir ao máximo possível o uso de papel no armazém graças à implementação de soluções informáticas como o software de gestão de armazém Easy WMS.
  • Controlar a gestão de resíduos especiais para que sigam os procedimentos adequados para a sua reciclagem.

5. Melhorar os processos de gestão de stock e de logística reversa

Ter uma instalação de armazenagem mais eficiente é um dos preceitos da logística ambiental: reduzir os desperdícios através da melhoria global dos processos. Algumas medidas nesse sentido são:

Uma preparação de pedidos eficaz é uma solução favorável para a logística ambiental
Uma preparação de pedidos eficaz é uma solução favorável para a logística ambiental

Por que seguir as premissas da logística verde

Existem razões importantes pelas quais a abordagem da logística ambiental está a adquirir importância:

  • As políticas de logística ambiental representam uma vantagem competitiva frente à concorrência. Além de revalorizarem a marca também representam um elemento diferenciador, assim como preparam a empresa para o futuro que inevitavelmente deverá ser sustentável.
  • As medidas de economia energética são uma estratégia eficaz para lidar com o aumento de custos nos fornecimentos.
  • Garantem que a empresa esteja preparada para cumprir a legislação ambiental.

Se quer melhorar a gestão da cadeia de fornecimento da sua empresa e aplicar medidas para adotar as premissas da logística verde, conte com a Mecalux. Além de aplicá-la na nossa empresa, também colocamos à disposição dos clientes a nossa experiência gerindo o funcionamento de qualquer tipo de armazém para torná-los mais eficientes e sustentáveis.