Operador logístico: funções e desafios

06 Novembro 2020

O volume de negócios que os operadores logísticos movem cresce ano após ano, devido à efervescência do comércio eletrónico e à crescente complexidade dos processos da supply chain, já que mais e mais empresas confiam nestes agentes para gerir a sua logística.

Neste artigo, primeiro explicamos o que é um operador logístico, as suas funções, vantagens e também as desvantagens que pode representar para uma empresa. Em seguida, revemos as tendências que estão a transformar este setor e discutimos em detalhe algumas das soluções mais avançadas.

O que é um operador logístico?

Vamos começar com uma definição: os operadores logísticos são empresas situadas num plano intermediário entre um fornecedor de produtos (empresa licitante) e os seus clientes finais, que são os que compram os produtos que o operador logístico movimenta e/ou armazena.

Dependendo do tipo de serviço, a infraestrutura será diferente. Um operador logístico que opera nacionalmente não é o mesmo que um operador que controla cadeias de fornecimento internacionais. A operação também será diferente de acordo com o tamanho do operador, medido pelo número de centros de distribuição que controla.

Funções de um operador logístico

Os operadores logísticos desempenham diferentes funções na cadeia de fornecimento. Destacamos:

  • Gestão do armazém: lidar com o manuseio de mercadorias dentro do armazém.
  • Picking: realizar todas as fases do picking e a preparação de pedidos, incluindo a embalagem.
  • Espaço de armazenagem: alugar o espaço no armazém e oferecê-lo de diferentes maneiras (por metro cúbico, por unidade, por quilo de inventário, pela percentagem do valor declarado das mercadorias, entre outras).
  • Transporte e distribuição de produtos: gerir as frotas de transporte que cobrem toda a rede de distribuição, desde o armazém até a entrega na última milha. Um operador logístico também pode ser especializado apenas em parte do transporte.
  • Gestão de stock: realizar um controlo exaustivo dos níveis de inventário das empresas que os contratam.
O transporte é um dos serviços mais habitualmente geridos pelos operadores logísticos
O transporte é um dos serviços mais habitualmente geridos pelos operadores logísticos

Tipos de operadores logísticos: do 1PL ao 5PL

Existem diferentes tipos de operadores logísticos, dependendo da área da cadeia de fornecimento na qual cada um é especializado. Para a sua classificação, é utilizada a referência em inglês Party Logistics (fornecedores de logística), que é dividida nas cinco classes que destacamos brevemente:

  • 1PL (First Party Logistics): são as agências de transporte que distribuem os produtos da empresa que os contrata. É o primeiro nível de terceirização: a agência mantém e faz a gestão das frotas e motoristas. Nesse cenário, a empresa contratante possui armazéns e equipamentos de movimentação próprios.
  • 2PL (Second Party Logistics): além do transporte, o operador logístico também cuida da armazenagem dos produtos. Essas empresas oferecem serviços padrão de armazenagem e transporte, mas é a empresa contratante que organiza a frota e gere os fluxos de materiais. Geralmente, são operadores logísticos nacionais.
  • 3PL (Third Party Logistics): é o operador logístico responsável por integrar o serviço completo, ou seja, fornece a infraestrutura material mais também é responsável pela gestão e organização das operações relacionadas ao transporte e armazenagem. Os operadores 3PL oferecem serviços adaptados às necessidades da empresa que os contrata. Por esse motivo, em geral, são assinados contratos de longo prazo.
  • 4PL (Fourth Party Logistics): esses operadores funcionam como agentes de otimização da cadeia de fornecimento. Normalmente, os 3PL lidam com a gestão de recursos e os 4PL atuam como consultores, o que cria um relacionamento muito próximo entre eles.
  • 5PL (Fifth Party Logistics): integram os serviços dos 3PL e, além disso, possuem a experiência em gestão e tecnologia dos 4PL. Abrangem uma gestão integral da cadeia de fornecimento e, geralmente, são altamente especializados na otimização de operações complexas, como fluxos de e-commerce.

As vantagens oferecidas por um operador logístico (e algumas desvantagens)

Ao tomar a decisão de contratar uma empresa para cuidar da gestão logística da empresa, é necessário avaliar as vantagens dos operadores logísticos e as desvantagens que essa decisão pode acarretar:

Vantagens dos operadores logísticos para o contratante

  • Padronizar os custos logísticos por meio de maior eficiência e flexibilidade.
  • Reduzir o volume de inventários e melhorar a precisão e rastreabilidade logística.
  • Ter uma maior capacidade de ajuste diante de uma procura muito variável.
  • Aumentar a qualidade do serviço logístico, colocando-o nas mãos de especialistas.

Desvantagens da terceirização logística

  • Perda de controlo dos processos logísticos, área crucial para o bom funcionamento da empresa.
  • Risco de desenvolver uma relação altamente dependente entre o operador logístico e a empresa.

Contratar um operador logístico é uma decisão de alto impacto para a gestão de negócios, razão pela qual é necessária uma análise aprofundada dos prós e contras do serviço de cada operador logístico, bem como o estabelecimento de um rigoroso processo de seleção.

Tendências que estão a transformar a maneira de trabalhar dos operadores logísticos

Destacamos as mais relevantes atualmente:

Tendência: o conceito 'ágile' como um valor estratégico para a cadeia de fornecimento

As empresas contratantes e os operadores de logística visam conter os custos operacionais derivados da gestão da supply chain. No entanto, a pressão sobre os custos não pode limitar a capacidade de resposta às mudanças no mercado. Isso é muito relevante ao tentar manter os stocks armazenados num nível mínimo e, ao mesmo tempo, enfrentar prazos de entrega cada vez mais apertados.

Solução: maior colaboração entre o operador logístico e a empresa contratante

Isso pode ser refletido em dois aspetos:

  • Integração de sistemas e dados entre o cliente e o operador. De acordo com os datos recabados por el 2019 Third-Party Logistics Study de 2019, 30% dos clientes acabam por rescindir o contrato com o operador logístico quando surgem dificuldades nesse sentido.
  • Necessidade de instalações flexíveis e multifuncionais, porém adaptadas às exigências do cliente. Portanto, os operadores geralmente combinam estantes convencionais de paletes, estantes de picking e sistemas compactos. A ideia é maximizar a capacidade de armazenagem disponível, sem afetar a acessibilidade.
As passarelas ajudam a maximizar o espaço nos armazéns dos operadores logísticos especializados em e-commerce

As passarelas ajudam a maximizar o espaço nos armazéns dos operadores logísticos especializados em e-commerce

Tendência: o desafio contínuo do e-commerce para operadores logísticos

Um dos picos mais pronunciados na atividade logística é o que ocorre após a Black Friday, que engloba a campanha de Natal e dura até o final de janeiro devido à gestão de devoluções.

De fato, a UNO, a Organização Empresarial de Logística e Transporte, calcula que uma semana após a Black Friday las empresas de logística mueven 2,5 millones de paquetes diarios e, no Natal, esse número chega a 80 milhões de remessas.

No entanto, a logística do e-commerce, especialmente no setor do retalho, não enfrenta aumento da procura apenas no final do ano, mas também experimenta uma sazonalidade muito acentuada em outras datas (Dia dos Namorados, Dia das Mães, regresso às aulas, vendas, campanhas de vendas instantâneas, entre outras). Portanto, os operadores logísticos precisam de ajustar os seus serviços a essa procura instável.

Solução: automação para responder ao complexo fluxo de mercadorias

O aumento no número de SKUs ou referências e o manuseio de unidades de carga heterogéneas forçaram os operadores logísticos a modernizar os seus sistemas no armazém. Um bom exemplo disso é o caso do reconhecido operador logístico Luís Simões.

Tanto no seu centro de distribuição em Guadalajara (Espanha) como no seu armazém em Loures (Portugal), este prestador de serviços de logística instalou soluções que permitem acelerar as suas operações. A Luís Simões equipou os seus centros com sistemas que simplificam o manuseio de cargas: o carro elétrico Pallet Shuttle, as eletrovias e os transportadores de paletes. Além disso, todas as áreas do armazém estão ligadas a um circuito de transportadores dedicados aos processos de cross-docking.

Layout do armazém do operador logístico Luís Simões

Layout do armazém do operador logístico Luís Simões

Operadores logísticos, um setor na vanguarda da gestão logística

Como vimos, os operadores logísticos geralmente são os primeiros a lidar com todos os tipos de grandes mudanças que ocorrem no setor. Portanto, eles devem adaptar-se continuamente às tendências estabelecidas pelo mercado. De qualquer forma, continuam sendo uma opção eficaz para melhorar a gestão logística das empresas e, assim, obter maior eficiência nos processos relacionados com a armazenagem e o transporte de mercadorias.

Devido à sua avançada especialização na supply chain, os operadores logísticos estão constantemente a procurar fornecedores de tecnologia e equipamentos que ajudem a otimizar os seus processos atuais. De facto, dezenas de operadores logísticos confiaram na Mecalux pela sua experiência no setor: pode ver os nossos casos de sucesso com 3PL de primeira linha aqui.