Planeamento logístico: projetando o armazém desde o início

07 Abril 2020

O planeamento logístico de um armazém é uma das áreas mais complexas e mais desafiadoras para os responsáveis pela logística. Uma vez escolhida a localização da instalação, começa o jogo de combinações para encontrar o layout de armazém que melhor se ajuste às necessidades da empresa.

Elementos a serem combinados no planeamento logístico do armazém

Existem quatro grandes áreas com interesses contrapostos que obrigam os responsáveis pela logística a procurar soluções para o equilíbrio entre as tais áreas no planeamento do armazém.

1. Os fluxos internos de pessoas e materiais

Em primeiro lugar, é preciso analisar detalhadamente as principais operações que vão ocorrer no armazém e desmembrá-las em subprocessos. Não podem faltar: recebimento de mercadorias, armazenagem, picking e preparação de pedidos, consolidação e expedição, gestão de devoluções e outras tarefas extra como a montagem de kits. O objetivo é adequar as áreas que correspondem a cada uma delas.

Por outro lado, é recomendável recorrer à sequência lógica de processos seguidos pelas mercadorias dentro do armazém. Isso pode ser feito com uma simulação através de um software especializado, que permite analisar o movimento controlado e constante de pessoas e cargas. Com isso, é possível detectar possíveis conflitos ou áreas com um tráfego muito denso, que devem ser evitadas. A meta é localizar as áreas do armazém para otimizar os movimentos e deslocações de cargas para que o fluxo de operações seja fluido e eficaz.

2. A acessibilidade das mercadorias

Podemos entender o conceito de acessibilidade de diferentes pontos de vista. Dessa forma, teremos dois pontos principais:

  • Acessibilidade das mercadorias quanto à composição do inventário: refere-se à distribuição entre referências e unidades por referência. Não será igual o planeamento logístico de um armazém com poucas unidades por referência e uma infinidade de referências (serão disponibilizados mais corredores para aceder cada produto) ou um que tenha poucas referências e muitas unidades por referência (por exemplo, as estantes compactas permitirão economizar espaço).
  • A acessibilidade do ponto de vista da unidade de carga: se vão ser manuseadas diferentes unidades de carga (paletes e caixas convivendo juntos, por exemplo), é recomendável incluir uma área de despaletização e paletização no planeamento logístico do armazém. Além disso, em certos setores, tal como o farmacêutico e o alimentar, é fundamental reagrupar referências que pertencem a um mesmo lote de fabricação. Dessa forma, os itens de cada lote poderão ser melhor controlados garantindo a rastreabilidade dos produtos. Nesse sentido, um software de gestão de armazém será de grande ajuda para todos esses casos.

3. O espaço de armazenagem disponível

Quando falamos de logística de armazenagem o espaço objetivo para essa tarefa é um dos elementos cruciais. A otimização da capacidade de armazenagem ajuda a encontrar as estratégias mais comuns para otimizar o armazém e ganhar espaço.

No momento de distribuir as áreas no armazém, além de considerar a ideia de otimizar o espaço disponível com os diferentes tipos de estantes industriais, também devemos incluir na equação os fluxos de materiais e a acessibilidade, além de contemplar os planos de expansão futuros.

Às vezes, maximizar o espaço de armazenagem utilizando métodos como, aproveitar a altura ou a ausência de corredores, costuma repercutir na agilidade da instalação. No entanto, sistemas automáticos como transelevadores para paletes ou transportadores para paletes são muitas vezes a solução perfeita para tais situações.

No planeamento logístico do armazém as estantes móveis economizam o espaço destinado aos corredores, mas a acessibilidade às referências é limitada
No planeamento logístico do armazém as estantes móveis economizam o espaço destinado aos corredores, mas a acessibilidade às referências é limitada

4. As características da mercadoria e o seu comportamento (Throughput)

Esse tópico faz referência aos vários aspectos relacionados à natureza dos produtos a armazenar:

  • Evidentemente, as características do inventário são fundamentais para o planeamento logístico do armazém. Além das suas dimensões, quantidades e peso, é preciso considerar qualquer outro fator que afete seu manuseio no armazém. Estamos a falar, por exemplo, da sua periculosidade, a compatibilidade com outros produtos, a sua fragilidade, se necessitam de um controle exaustivo da temperatura ou humidade.
  • O giro do stock afeta em grande medida o planeamento do armazém, pois trata-se de um parâmetro muito importante para a gestão de localizações das mercadorias. Os sistemas de armazenagem e manuseio podem ser adequados dependendo da rotatividade.
  • A sazonalidade das mercadorias significa enfrentar uma atividade desigual no armazém ao longo do tempo, sendo, portanto, indispensável adequar a capacidade do armazém sem superdimensioná-lo.

Todos os armazéns devem encontrar o seu equilíbrio entre fluxos de pessoas e materiais, acessibilidade das mercadorias, espaço disponível e comportamento do stock. Se estiver envolvido no planeamento logístico do seu armazém, entre em contato conosco: colocaremos toda a nossa experiência logística à sua disposição para encontrar a melhor combinação possível de todos esses elementos.