A automação do armazém é fundamental para aumentar a eficiência da logística de produção

Como otimizar a logística de produção

18 Junho 2021

A logística de produção tem sido tradicionalmente um setor linear e previsível. Durante anos, os fabricantes representaram o elo entre fornecedores de matérias-primas e distribuidores. No entanto, a realidade económica atual quebrou essa tendência e forçou as empresas a enfrentar processos de fabricação personalizados com um stock de materiais tão numeroso quanto heterogéneo.

Tendências de negócios como o just-in-time, a internacionalização dos mercados e as procuras exigentes dos clientes em relação à velocidade das entregas estão a impulsionar a transformação da logística de produção. Neste artigo, definimos e avaliamos as características do novo paradigma de logística de produção e deciframos as melhores estratégias para otimizá-la.

O que é logística de produção?

A logística de produção ou logística industrial abrange a gestão e a otimização dos processos de armazenagem, bem como a movimentação de materiais nas instalações vinculadas a um centro de fabricação. Em resumo, abrange todos os processos logísticos que ocorrem desde a compra de matérias-primas até a criação do produto.

Análise detalhada dos processos de produção

Para entender melhor como a logística de produção funciona, vamos rever brevemente os dois sistemas de fabricação mais comuns e o papel que cada um desempenha:

- Fabricação para stock ou sistema "push"

Ocorre quando o produto final responde a uma ampla procura e possui recursos padrão que não incluem nenhuma personalização. Nesse caso, as fábricas produzem os itens com antecedência. Eles vão diretamente para o armazém e, portanto, o departamento comercial vende apenas o stock disponível no armazém (ao contrário do sistema "pull", que veremos abaixo).

- Fabricação sob pedido ou sistema "pull"

O sistema pull funciona de maneira inversa: a fábrica produz uma vez que recebe os pedidos dos clientes, que têm uma data de entrega definida. Com esse método, embora não exista stock de produto final, a empresa pode manter stock de produtos semiacabados, pois permitem prazos de entrega mais curtos após a realização do pedido do cliente.

Apesar de existirem setores que se destacam pelo uso de um sistema de fabricação ou de outro, na realidade ambos podem coexistir. Por exemplo, no caso do setor automóvel, são fabricados veículos padrão (sistema push), mas também outros sob procura com características personalizadas (sistema pull).

Os armazéns que fornecem a logística de produção são sectorizados se tiverem um stock muito heterogéneo

Os armazéns que fornecem a logística de produção são sectorizados se tiverem um stock muito heterogéneo

A relação entre produção e logística na indústria

O trabalho da logística de produção é reduzir o lead time de fabricação, ou seja, o tempo desde que se gera uma ordem de trabalho até a conclusão do produto.

De fato, para reduzir o tempo de produção, muitas empresas industriais estão optando por fornecedores locais de materiais e componentes. Essa tendência reverteu parcialmente a realocação de empresas: por exemplo, de acordo com a Industry Week, em 2018 as empresas de transformação que se estabeleceram nos Estados Unidos aumentaram 38%.

Outro fator crucial na logística de produção é a própria gestão de stock, essencial para realizar uma fabricação mais rápida. Para isso, o armazém deve ser capaz de gerir efetivamente os dois tipos de procura que afetam a logística de produção: a procura dos clientes finais, seja com base em previsões de vendas ou em pedidos solicitados à fábrica (é a procura independente do processo de produção) e a procura da fábrica, que solicita ao armazém todas as matérias-primas necessárias para criar o produto final (é a procura dependente do processo de fabricação).

Em relação ao conceito de procura da fábrica, a empresa de transformação é capaz de calcular com certeza quais as matérias-primas de que a unidade de produção precisa para produzir cada produto. Aqui é conveniente introduzir os conceitos de BOM (Bill of Materials) e do sistema MRP (Materials Requirement Planning). O BOM refere-se ao inventário ou lista de componentes necessários para fabricar os produtos, enquanto o sistema MRP é o software de informático que determina quais os materiais que são necessários e em que quantidade para criar um determinado modelo.

A coordenação das áreas de produção e logística, portanto, envolve o controlo desses dois tipos de procura (dependente e independente do processo de produção) e a organização dos armazéns industriais de acordo com cada uma. As instalações de armazenagem vinculadas às unidades de produção podem abrigar produtos acabados, componentes ou matérias-primas que fornecem o processo de produção ou peças de reposição para o serviço pós-venda.

Os armazéns dedicados à logística de produção podem ter fornecimentos com características especiais

Os armazéns dedicados à logística de produção podem ter fornecimentos com características especiais

Como otimizar o armazém dedicado à logística industrial

Aplicando uma abordagem de Lean logistics, que faz parte da filosofia do lean manufacturing, a logística de produção eficaz é baseada na redução das operações que não agregam valor ao produto. Exemplos disso são transporte interno, filas ou espera entre processos, stocks de trabalho em curso, entre outros.

O objetivo final é poder oferecer um melhor serviço e reduzir custos em geral. Mas como conseguir isto?

- Automação adaptada ao processo de produção

Quando os armazéns servem como depósito para o stock que chega diretamente da produção, eles devem estar preparados para acomodar e movimentar grandes quantidades de mercadorias, geralmente paletes. A automação do transporte de materiais é uma solução amplamente utilizada quando se trata de processos repetitivos e cargas pesadas. Além disso, graças a ela, consegue-se a otimização do espaço e uma melhoria na produtividade da instalação, reduzindo drasticamente os incidentes no manuseio de mercadorias.

No entanto, também existem armazéns de peças de reposição dedicados à logística industrial cujas operações estão focadas na preparação de pedidos que preenchem as linhas de produção. Como geralmente são inventários muito heterogéneos e unidades de carga pequenas, uma das estratégias mais comuns baseia-se no zoneamento do armazém com base no método de rotação ABC e automatizar o movimento de materiais com transportadores de rolos para ligar as diferentes áreas.

- Software para gestão de processos na logística de produção

Os SGA para produção adicionam às funcionalidades básicas de um software de gestão de armazém outras especialmente orientadas para otimizar a área de fabricação. Esses programas, que em certo sentido operam como sistemas MRP, controlam e coordenam a relação entre a procura do cliente e a procura dependente do processo de produção.

Os sistemas de gestão de armazém são uma ferramenta essencial para ter uma visão global do stock vinculado as tarefas de produção. Ter um SGA especializado em produção facilita:

  • A classificação por tipos de stock: na logística de produção, podem ser matérias-primas, trabalhos em curso, produtos semiacabados ou stock de produto final.
  • Visualizar o stock em tempo real: o software garante o conhecimento da quantidade e do estado da mercadoria em tempo real.
  • Produzir de acordo com o método just-in-time: esse método só pode ser aplicado com a gestão automatizada do armazém.

A importância da integração na logística de produção

Atualmente, a indústria está a enfrentar um cenário de fabricação flexível e diversificada, no qual oferecer um atendimento eficaz ao cliente depende da correta engrenagem da logística de produção. Diante desse paradigma, a automação e a implementação de um SGA especializado em processos de fabricação são duas estratégias fundamentais para otimizar a logística de produção. Se quiser conhecer em detalhe como tornar mais eficiente a logística de produção da sua empresa, entre em contato connosco e um dos nossos especialistas analisará a situação e proporá melhorias para as suas instalações.