Os armazéns automáticos são um exemplo de transformação digital na logística

A transformação digital na logística

21 Janeiro 2021

O rápido avanço da logística 4.0 está a impulsionar a transformação digital na logística das empresas, cada vez mais globais. No entanto, a digitalização das operações do armazém não traça um caminho livre de obstáculos.

No nosso artigo, analisamos em que consiste este novo paradigma e quais as mudanças que estão a causar na organização dos processos logísticos. Falaremos sobre as tecnologias que estão a participar da evolução em direção a um armazém hiperligado com o resto dos elos da supply chain.

O que significa a transformação digital em logística?

O conceito de transformação digital refere-se à implementação de novas tecnologias em todas as áreas de uma empresa para melhorar a sua eficiência. Dessa forma, a transformação digital em logística representa a integração de novas capacidades digitais em áreas como armazenagem, preparação de pedidos ou transporte, entre outras.

A digitalização de todos os setores de uma empresa é uma tendência que continuará no futuro e está gradualmente a entrar nos principais setores económicos, embora a um ritmo desigual. Segundo um estudo da consultoria americana McKinsey, as empresas estão a priorizar o uso de novas tecnologias na sua estratégia de marketing (49% estão nisso) e nos seus produtos e serviços (21%). Apenas 2% dos entrevistados reconhecem que estão a implementar iniciativas de transformação digital na supply chain.

No entanto, isso não é algo que o setor ignore. De acordo com uma pesquisa da Forbes Insights, 65% dos gerentes de logística estão cientes que precisam renovar o seu modelo de negócio se quiserem sobreviver na era digital.

O software de gerenciamento de armazém é um exemplo de tecnologia que facilita a transformação digital em logística

O software de gestão de armazém é um exemplo de tecnologia que facilita a transformação digital em logística

Tecnologia que torna possível a transformação digital no armazém

A tecnologia visa alcançar uma gestão automatizada e inteligente da documentação de uma empresa e da organização dos seus procedimentos ou fluxos de trabalho, entre outros.

Entretanto, é impossível dissociar os processos de transformação digital das tecnologias que formam o núcleo da Quarta Revolução Industrial ou Indústria 4.0. Através da contextualização, revisamos as principais tecnologias ligadas à transformação digital na gestão de armazéns:

  • Armazenamento de dados na nuvem: mais e mais soluções de software de gestão de armazém estão disponíveis no modo SaaS (Software as a Service, na nuvem), em oposição à instalação tradicional on-premise (nos servidores locais da empresa). Essa tecnologia reduz o investimento inicial necessário na implementação de um SGA, pois é pago um aluguer mensal pela licença, em vez de adquirir toda a infraestrutura técnica.
  • Dispositivos IoT (Internet of Things): a tecnologia IoT (Internet das Coisas) aplicada ao armazém está intimamente relacionada aos diferentes sensores que capturam informações do mundo físico e colocam nos bancos de dados digitais. Exemplos disso são as etiquetas RFID e os detetores de movimento integrados em sistemas automáticos como transelevadores ou transportadores.
  • Robótica: nas operações intralogísticas, máquinas e sistemas automáticos coexistem com os operadores na execução das suas tarefas. Por exemplo, os Pallet Shuttle economizam viagens aos operadores de empilhadores e os carros inteligentes, em combinação com o pick-to-light, permitem uma recolha mais precisa do pick-to-cart.
  • Inteligência artificial em logística: a inteligência artificial tornou possível a análise massiva de dados nas diferentes áreas da cadeia de fornecimento. Por exemplo, essa interpretação das informações permite o cálculo avançado das previsões da procura (demand forecasting), ao mesmo tempo que facilita a gestão das referências no armazém ou a otimização da última milha logística.
  • Simulação de ambientes com gémeos digitais (digital twins): essa tecnologia é muito útil ao projetar um armazém ou ao aplicar alterações no seu layout. De fato, é possível testar a operação da nova organização, num ambiente digital, antes de mudar a maneira de operar na realidade. Já implementada em alguns SGA como o Easy WMS da Mecalux, a aplicação de gémeos digitais reduz a margem de erro e alcança a melhoria contínua dos processos.

Estas são algumas das principais tendências que irão revolucionar o funcionamento do armazém a curto prazo. Mesmo assim, surgem periodicamente novas tecnologias e novos conhecimentos que podem trazer eficiência aos processos logísticos. Portanto, não é uma lista fechada.

Estratégias de transformação digital: como aplicá-las na logística?

Todas as iniciativas de transformação digital em logística devem considerar a situação específica de cada empresa, considerando as dificuldades que enfrenta, as oportunidades que possui no seu setor e os objetivos que define. Portanto, é conveniente ir passo a passo:

1 - Estabelecer um ponto de partida e definir objetivos: a análise inicial deve abordar o estado atual das áreas mais afetadas pela transformação digital na logística. Por exemplo, a gestão de documentos (abandonar definitivamente o uso do papel), o software e hardware disponíveis, a organização de processos, etc. Esse estudo será a base necessária para definir os objetivos do projeto de transformação digital.

2- Garantir a rápida aprovação de orçamentos: com prioridades claras, a burocracia interna da empresa não pode ser um impedimento à realização dos investimentos em tecnologia necessários para a transformação digital.

3 - Confiança no talento 4.0: a empresa deve apostar em trabalhadores com formação especializada na gestão da cadeia de fornecimento, mas também com habilidades avançadas no campo do software e da digitalização.

4 - Alcançar a melhoria contínua: nos processos logísticos é essencial analisar cada etapa e medir os seus resultados (KPI) para tomar decisões que aumentem a eficiência.

Nesse sentido, existem empresas que já lançaram com sucesso os seus projetos de digitalização no armazém. Indicamos dois casos que servem de exemplo de transformação digital na logística em diferentes níveis: a gestão inteligente do armazém Rent a Book, graças à implementação de um SGA e a automação do centro de logística da BH Bikes, usando um miniload e transelevadores para paletes.

O picking to cart é um exemplo de transformação digital em logística, pois agiliza a preparação de pedidos
O picking to cart é um exemplo de transformação digital em logística, pois agiliza a preparação de pedidos

Uma vantagem competitiva no presente e uma obrigação para os armazéns do futuro

Um dos erros comuns é ver a digitalização como um objetivo em si, quando, na realidade, é o caminho para alcançar uma gestão empresarial e logística mais eficiente. De fato, de acordo com a pesquisa da Deloitte, Industry 4.0 investment, o motor da transformação digital em metade das empresas é a melhoria da produtividade, seguida de perto pela pressão da concorrência e pelas exigências dos clientes.

O segredo não é investir para investir em sistemas mais atraentes ou revolucionários, mas sim estudar em profundidade as necessidades da empresa e avaliar o retorno que cada inovação terá.

Na Mecalux, temos uma equipa de profissionais preparados para implementar a tecnologia necessária para que a sua empresa cumpra os padrões do setor 4.0. Se desejar que o aconselhemos sobre a transformação digital das suas instalações e processos, não hesite em entrar em contato com a nossa equipa de especialistas.